Irlanda


Depois de nossa passagem por Dublin, Kilkenny, Cork e Kenmare prosseguimos nossa aventura de carro pelo oeste da Irlanda!

6º dia (10/08): Ring of Kerry e Killarney

A partir daqui começa a maravilhosa rota turística Ring of Kerry. Saímos cedo de Sneem e nossa primeira parada foi em White strand, uma pequena praia meio escondida. Muito linda! Um pouco depois, do carro mesmo, vimos uma praia com águas cristalinas paradisíacas e paramos para tirar fotos. A praia se chama O’Carroll’s Cove. Seguindo mais adiante, chegamos na Derrynane House (casa de Daniel O’Connell) que pode ser visitada. Daqui seguindo as placas para Strand (costa/praia) chega-se com o carro à maravilhosa Derrynane Beach. Bem ao lado da praia encontra-se a Derrynane Abbey que é uma abadia em ruínas, lá está o túmulo de Mary O’Connell (esposa de Daniel O’Connell).

Continuando a rota de Ring of Kerry se encontram vários mirantes, como Coomakista, com paisagens deslumbrantes. Vale a pena parar para apreciar a natureza e tirar algumas fotos! Passamos por Waterville que, apesar de ser a cidade onde Charles Chaplin adorava passar as férias, não gostamos tanto assim e era bem cheia de turistas. Mas, tem muitos restaurantes. Seguimos para Ballinskelligs. A entrada desta vila fica à esquerda logo após o rio. Tem vários lugares para se visitar: o Mc Carthy Castle, a Old Abbey, etc.

Logo depois de Ballinskelligs já dá para ver as Skellig Rocks ou Skellig Islands, que são duas pequenas ilhas. A menor, Little Skellig, não pode ser visitada e é um verdadeiro santuário de gansos-patola e de papagaios-do-mar. A maior, Skellig Michael ou Great Skellig, é Patrimônio da Humanidade pela UNESCO pois, em seu topo, no século VI, foi construído um mosteiro cristão.

Para alegrar ainda mais este passeio espetacular, por aqui existe uma fábrica de chocolate,  a Skelligs Chocolate! Eles tem um laboratório que é aberto ao público, você entra, fica na fila e logo vem alguém com uma bandeja com vários pedacinhos de chocolate. Enquanto o funcionário faz uma breve explicação sobre cada um você pode degustá-los!!! E, claro, depois você é direcionado para a lojinha para comprar os que mais gostou! Além dos chocolates, salgados, café, água, refrigerantes, etc. também são vendidos no local. Tem banheiro grátis para o público também.

Depois da fábrica de chocolate, existe uma praia muito bonita frequentada por surfistas chamada St. Finian’s Bay ou The Glen. Subindo a montanha (alugue um carro potente, pois as subidas são bem íngremes e cheias de curvas) tem lindos panoramas, como Comanaspic (aqui venta demais!). Após esse ponto, se encontram as mais famosas Cliffs of Kerry (falésias de Kerry).  É possível estacionar o carro num bar à esquerda e fazer o caminho até as falésias a pé.

Continuando o passeio, logo chega-se a Portmagee. Aqui paramos para almoçar no The Bridge Bar (muito bom!). Aconselharam-nos a ir até a Valentia Island, mas não fomos porque estenderia muito o nosso caminho. Então, seguimos em frente, passando por Cahersiveen que é uma bela cidade, foi onde nasceu Daniel O’Connell. Tem várias lugares para se visitar: Daniel O’Connell Memorial Church, Ballycarbery Castle, Cahergall e Leacanabuaile Fort, e The Old Barracks.

A próxima cidadezinha é Kells, tem uma praia bem pequena, mas nem paramos. Já em Glenbeigh se encontra uma das maiores praias do Ring of Kerry, mas quase não tem areia, é tudo pedra! Bem em frente à praia tem um parquinho público onde a nossa filha se divertiu muito! Em Killorglin, que é mais ou menos bonita, estava tendo uma super festa (Puck Fair Festival). Tinha parque de diversões montado, feira de artesanatos e comida, música e estavam até assando carne na rua! Tinha um congestionamento enorme para entrar e sair da cidade.

Finalmente chegamos em Killarney, a cidade é um bem maior do que as que encontramos no Ring of Kerry e muito bonita, também muito cheia de hotéis e turistas. Nosso hotel, o Killarney Oaks Hotel, ficava bem em frente ao Killarney National Park. Jantamos no centro, no O’Donoghue’s Pub, mas não gostamos muito.

7º dia (11/08): Killarney

Como a cidade tem muitas opções de locais para tomar café da manhã por bons preços resolvemos não tomá-lo no hotel e experimentar alguma cafeteria. Optamos por uma perto do estacionamento público do centro chamada The Chateau Café & Restaurant, muito bom e gastamos menos do que gastaríamos no hotel. Depois, alugamos 2 bicicletas no O’Sullivan (na mesma rua do cafe, em frente ao estacionamento) por 15,00 euros cada (cadeirinha para criança e mapa grátis) o dia todo, e fomos passear no Killarney National Park que fica dentro da cidade.

Primeiro fomos na Muckross Abbey e na Muckross House & Gardens. A entrada do parque para ir a Muckross ficava perto do nosso hotel, Killarney Oaks Hotel, é a sucessiva a entrada do The Lake Hotel (indo em direção contrária do centro). Tudo muito lindo! A abadia parece um castelo e as crianças adoram brincar de príncipe e princesa! Do lado da Muckross House tem banheiro, restaurante e loja. Depois de comer alguma coisa, fomos até o Torc Waterfall. Tivemos que deixar a bicicleta amarrada numa cerca e continuar até a cascata a pé.

Voltamos, pegamos as bicicletas e seguimos para o Ross Castle. Para isso, tivemos que sair do parque, circondá-lo até a entrada em frente a maravilhosa St. Mary’s Cathedral (perto do estacionamento) e pegar a estradinha que levava até o castelo. Muito lindo! Aqui tem um lago cheio de patinhos, e podem feitos passeios de barco. Voltamos pela estrada que viemos, ao invés de sair em frente a catedral, continuamos reto até chegar no parquinho público para a nossa filha brincar (tem banheiro e trocador). No caminho tem uma casa de chá muito charmosa!

Como a locadora de bicicletas fechava às 18h00, fomos embora para devolver as bicicletas (eram umas 17h30 já). Sem voltar para o hotel, fomos jantar no Caragh Restaurant. Depois demos uma volta no centro e tomamos um sorvete na Murphy’s Ice Cream Parlor, muito boa, ingredientes de qualidade, mas é caro! Continuamos a nossa volta e paramos numa loja de souvenirs mas, não compramos nada pois é tudo mais caro que em Dublin.

8º dia (12/08): Dingle

Tomamos café da manhã no Revive Café & Wine Bar, muito bom também e mais barato que o café da manhã do hotel. Saímos da cidade às 10h00 e seguimos para a Península de Dingle, onde ainda se mantém muito vivas a língua e as tradições irlandesas.

Paramos na praia de Inch, enorme com ondas fortes. Tem um restaurante. O panorama um pouco para frente dela é lindo! A cidade de Dingle é muito bonita, mas tem muitos turistas. Vimos a St. Mary’s Church e o antigo Presentation Convent (onde hoje funciona o Díseart Institute of Education and Celtic Culture). Logo depois de Dingle, paramos na praia de Ventry, mas não gostei tanto do cenário por causa do camping bem lotado e bagunçado ao lado. Poucos kilômetros para frente se encontra o Dunbeg Fort (fortaleza construída na Idade do Ferro), pode-se estacionar o carro em frente ao Stonehouse Restaurant & Café, o panorama é demais! Continuando o caminho existem vários mirantes muito lindos!

Logo chegamos no famoso Slea Head (cabo Slea), que é o ponto mais ocidental da Irlanda e mais próximo das ilhas Blasket. Parada obrigatória; é possível caminhar tranquilamente com crianças. Um pouquinho mais para frente, em Ballyickeen, também tem uma vista maravilhosa! Continuamos o caminho até Glashabeg, onde estava o nosso B&B, o Gorman’s Clifftop House, melhor hospedagem e comida em todo nosso passeio pela Irlanda! Lugar magnífico, com vista para as Three Sisters Headland. Aqui perto tem também a Kilmakedar Church e o Gallarus Oratory, mas não os visitamos.